terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Prisioneiro


Prisioneiro

Falta-me o ar para respirar,
o amigo em sua solidariedade,
o bem maior, a oração, o amar
tudo que gira na velocidade.


Falta-me o querer ainda cativo,
o meu ser e minha razão,
o alimento, o poder e sobrevivo,
ainda pelo sabor da oração.


Falta-me ser forte, não vigiado,
a alegria de não ser subjugado,
ver o mundo belo, privilegiado,
deixar de ser alguém enclausurado.


Falta-me ser ainda salvo, é natural
do amor, e pelo amor ser livre, partir
ver o mundo de forma bem real,
ter vários caminhos para onde ir.


Falta-me da vida viver e prosseguir,
agora o tempo não mais importa,
ser cativo é não ter onde ir
sorte é ter algo que realmente importa.

Betânia Uchôa

3 comentários:

disse...

Está tudo muito lindo!! Parabéns querida Betânia...

disse...

Está tudo muito lindo!! Parabéns querida Betânia...

Carlos Rímolo disse...

Querida amiga e grande poetisa Betânia!

Perdoe-me a longa ausência. Tive problemas. Passando aqui para deixar o meu carinho e admirar os seus belíssimos textos poéticos. Seu Blog. é muito lindo, tanto pela feitura como
pelas poesias.
Beijos de luz!

POETA CIGANO - 31/02/2011

www.carlosrimolo.blogspot.com

Obs: Estou sentindo a sua falta no meu rol de amigos do Orkut.