quinta-feira, 14 de maio de 2009

Era uma vez, um palhaço





Que triste palhaço eu vejo logo ali.
Com lágrimas copiosas, do céu vieste...
Uma dor estampada, como se o mal fizeste,
E toda dor o rondava, quando o vi.

Palhaço da cara triste, com um abraço o envolvi
Que deixará para esta criança que apareceste
Ela procura um sorriso igual ao que me deste
Vendo tua boca tremular foi que me comovi...

O seu número de alegria se foi, ficou o cansaço
Como alguém que prende o boi mas solta o laço
Onde a fraqueza se via, seu corpo se curvava...

Deixando saudades... De um tempo que deixaste
A lembrança de minha infância que animaste
Os anos ficaram na gaveta, onde os guardava...

Betânia Uchôa

Um comentário:

daufen bach. disse...

OLá Betânia!

que coisa linda isso aqui!
espaço e poemas, magníficos. eu nao sabia que tu tinhas um blog, na verdade eu nao sabia que muita gente gente tinha blogs.achei o teu pelo link no blog da Rosane que, também achei pelo blog da Verônica...rs.

Parabens a ti.
(como diria Caetano: "as imagens sao belíssimas"...rs).

Abraço a ti.

daufen bach.