quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Segunda pele




Segunda pele

                                Cobre, me cobre, se cobre.
                                Veste a pureza em pecado.
                                  Veste a vergonha e sobretudo,
                                Veste-se para o sol,
                               Mas ainda é pele, por onde passa
                                 Parece um lençol.
                                   Encobre, se cobre, se despe,
                                 na manhã de sol,
                                   É pele, e se procurou,
                                  Roubou, se roubou, pecador.
                                 É pele, com medo, é o frio.
                                 Encosta, bem perto da pele.
                               É pele, é quente,
                                Um caldeirão, sensações.
                               Pele, com pele, quente.
                               É pele, segunda pele, na pele.

                                Betânia Uchôa

2 comentários:

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Informática Online. Daienne.

Desireé disse...

POETISA VOCÊ È DEMIAS ,SEM PALAVRAS PARA DEFINI-LA .AMO DE PAIXÂO TUDO QUE ESCREVE .PARABENS .BJS